sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Moinho do Borrazeiro


O moinho do Borrazeiro, o segundo do percurso do Rio Almansor pelo concelho de Montemor, situava-se numa zona em que o caudal do rio tomava já uma dimensão apreciável, e entre as duas primeiras pseudo-barragens existentes na parte montante do rio; falamos do “Pego do Borrazeiro” e do “Pego da Rata”.
Era o Borrazeiro um moinho já com alguma importância, pois que tinha dois engenhos e direito a moleiro efectivo.
A sua levada recolhia a água do “Pego do Borrazeiro”, que era um local aprazível e rodeado de amieiros, salgueiros e freixos.
O moinho parou à mais de 50 anos, depois de o seu último moleiro ter sido assassinado, encontrando-se hoje em ruínas, descaracterizado, e incluído numa exploração pecuária.
A jusante do moinho, e recebendo a água que passava pelos seus engenhos, ficava o “pego da Rata” que, por apresentar um longo areal livre de pedras, era uma sugestiva, mas perigosa, praia fluvial.

Toda esta zona era de grande beleza, e muito frequentada por lavadeiras e pescadores, que, nestas águas límpidas, podiam pescar barbos, enguias, bogas, rãs, e até mesmo bivalves (amêijoa branca).
No meio deste pego, do qual partia uma levada para alimentar os engenhos do moinho da ponte de Évora (o terceiro do percurso do rio) existia uma pequena ilhota onde era possível encontrar lontras, rolas e galinhas-d’água.
Hoje o leito encontra-se praticamente sem água e a necessitar de limpeza.

1 comentário:

Ana Paula disse...

Imagina como o tempo voa, o moínho deixar de funcionar há mais de 50 anos!
Gostei de saber tudo o que relataste sobre esse local que há mais de 50 anos devia ser um sítio muito bonito. Também sou ainda do tempo em que as lavadeiras iam lavar nas correntes de água doce, rios e riachos, um deles passava mesmo no centro da cidade de Ílhavo.
Adorei!
Beijinhos grandes,
Ana Paula